Docker de A a ZSolutions & Design Gallery

Se você usa o NGINX em produção, como Reverse Proxy, já se perguntou se seria possível criar algum tipo de automação. Essa é uma demanda pq quanto mais apps passando por ele, mais endereços, mais configurações. Se você usa todo o potencial do NGINX, aí com toda certeza você ficará interessado na automação.

Exemplo de configuração do NGINX:

Para você entender o que estou falando, abaixo tenho um arquivo bem parecido com o que tenho em produção.

Trabalhando com Metadados:

No dia-a-dia você acaba por não ter de dar manutenção nestes arquivos com freqüência, e por isso você acaba por não lembrar de todos os passos necessários ou todas as features possíveis, assim automatizar gera o conforto e reduz o atrito na hora de fazer uma nova configuração no NGINX, a cada vez que você precise adicionar um novo endereço, ou aplicação no stack.

Embora o arquivo do exemplo 1 seja extenso, no dia-a-dia eu não preciso gerenciá-lo diretamente. Usando um script de automação que criei, eu modifico um arquivo json de metadados, executo um comando e pronto: arquivo de configuração gerado e script de recriação do container pronto para ser executado. Abaixo temos o exemplo de metadados, ele está disponível no repositório do projeto, no github.

Sem sombra de dúvidas, o arquivo JSON, acima, apresenta um modelo mais simples e melhor estruturado, tornando fácil criar novas configurações. Mas o NGINX não reconhece esse formato, para isso um script que transforma esse arquivo em 2 outros, o de configuração e o de recriação do container.

O repositório já conta com um arquivo de configuração parecido com esse que está aqui no post, além disso, o resultado do script é o arquivo de configuração ./output/nginx.conf e um arquivo sh ./output/reebuild-container.generated.sh , destinado à recriação do container.

O arquivo de configuração segue o exemplo 1, enquanto o script de recriação do container está abaixo no exemplo 3.

Este repositório é uma base para você criar sua própria automação. Se você usar a imagem luizcarlosfaria/nginx-pagespeed/ você ganha features como:

  • Stream – Possibilidade de usar o NGINX como Reverse Proxy de serviços não HTTP, como Banco de Dados, Redis. Mongo etc. Isso torna mais segura sua infra, na medida que você não precisa criar seus containers com binding para as portas. Habilita somente nos períodos em que precisar.
  • ngx_http_substitutions_filter_module – possibilita a substituição do conteúdo HTTP de uma requisição.
  • Google Page Speed – uma verdadeira bruxaria! O Google Page Speed realiza otimizações no HTML, Javascript de forma coordenada e unificada, permitindo que você melhore aplicações das quais você não tem controle sobre o desenvolvimento.
  • nginx-rtmp-module – NGINX-based Media Streaming Server, desenhado para enconding em realtime.

Os templates de criação estão na pasta ./Templates e devem ser customizados a gosto!

Get Started

Download

Baixe o repositório:

Customizando os metadados

No arquivo ./data.json substitua ./output/nginx.conf pelo path real onde deve ficar o arquivo de configuração do NGINX.

Customizando script de recriação do container

No arquivo ./templates/nginx-recreate.sh.template.asp fique atento às linhas 8 e 26:

Na linha 8 temos a configuração da rede docker usada pelo container, enquanto na linha 26 o bind com o path do volume destinado às configurações do NGINX. Este último precisa ser coerente com path do arquivo gerado.

Executando

Acertando esses pontos para o teu cenário, basta rodar:

Os arquivos são regerados e você pode executar o script  ./reebuild-container.generated.sh localizado na pasta output. Este script removerá o container chamado EntryPoint, e o recriará, com base nas configurações de portas determinados no seu data.json.

Outras possibilidades

Esse procedimento pode ser automatizado no WebMin, mas isso é um assunto para um segundo post.

Você ainda pode customizar todo o fluxo para gerar outros artefatos, como um docker-compose.yml, por exemplo, e enfim, muito mais.

Forke o projeto no github.